ABOZ - Associação Brasileira de Ozonioterapia
ABOZ no Facebook ABOZ no Instagram

Biblioteca

A meta-analysis of the effectiveness and safety of ozone treatments for herniated lumbar discs.

Tipo de estudo: Meta-análise de estudos multicêntricos. Resumo: o objetivo do estudo é determinar os efeitos estatisticamente significativos do tratamento com oxigênio-ozônio dos discos herniados em relação à dor, função e taxa de complicações. As metanálises de efeitos aleatórios foram usadas para estimar os resultados do tratamento de oxigênio-ozônio dos discos herniados. Uma pesquisa bibliográfica forneceu estudos relevantes que foram ponderados por um escore de qualidade do estudo. As metanálises separadas foram realizadas para escalas analógicas visuais (EVA), Índice de Incapacidade de Oswestry (ODI) e escalas de desfecho de MacNab modificadas, bem como para taxa de complicações. A aprovação do conselho de ética institucional não foi necessária para esta análise retrospectiva. Doze estudos foram incluídos nas meta-análises. Os critérios de inclusão/exclusão, dados demográficos do paciente, classificações de ensaios clínicos, procedimentos de tratamento, medidas de resultados e complicações são resumidos. As metanálises foram analisadas nos resultados do tratamento de oxigênio-ozônio para quase 8.000 pacientes de múltiplos centros. A probabilidade de complicações foi de 0,064%. Como conclusão, o tratamento com oxigênio-ozônio de hérnia de disco é um procedimento eficaz e extremamente seguro. A melhora estimada na dor e na função é impressionante, tendo em vista os critérios amplos de inclusão de pacientes com idades variando de 13 a 94 anos com todos os tipos de hérnia discal. Os desfechos de dor e função são semelhantes aos resultados dos discos lombares tratados com discectomia cirúrgica, mas a taxa de complicações é muito menor (<0,1%) e o tempo de recuperação é significativamente menor.

Autor: Steppan, J., Meaders, T., Muto, M. & Murphy, K.J.

Revista: Journal of Vascular and Interventional Radiology, volume 21, Edição 4, Páginas 534–548. Publicado em Abril/2010.

Voltar ao topo