ABOZ - Associação Brasileira de Ozonioterapia
ABOZ no Facebook ABOZ no Instagram

Biblioteca

General protocols based on evidences.

Indicação Clínica: Diversos. Tipo de Estudo: Observacional, analítico. Resumo: O ozônio tem sido usado como agente terapêutico para o tratamento de diferentes doenças e efeitos benéficos têm sido observados. Entretanto, os efeitos biológicos do ozônio permanecem controversos devido ao escasso conhecimento de seus mecanismos bioquímicos e farmacodinâmicos. Levando em conta que a ozonioterapia está ganhando mais interesse dia após dia sendo usada em doenças com efeitos benéficos aparentemente não relacionadas, é que o Centro Nacional de Pesquisa Científica (Havana, Cuba) estudou em diferentes centros de pesquisa e instituições de saúde, a toxicologia do ozônio e suas ações farmacológicas, bem como seus mecanismos bioquímicos. As experiências mais marcantes nos estudos pré-clínicos e clínicos desenvolvidos em Cuba nos últimos 30 anos são apresentados neste estudo a fim de provar inequivocamente a validade da ozonioterapia. Com base nas propriedades oxidantes do ozônio, postulamos que a administração controlada do ozônio (denominada mecanismo de pré / pós-condicionamento oxidativo do ozônio) é capaz de promover um estresse oxidativo leve e transitório que, por sua vez, restabelece as vias de sinalização que foram perdidas em condições patológicas, preservando o equilíbrio redox celular (aumento do sistema endógeno antioxidante), a função mitocondrial, bem como a regulação dos fatores de transcrição e a modulação do sistema imunológico. É evidente que os peróxidos de ozônio associados à membrana 4-hidroxialqualenos, ânion superóxido, óxido nítrico, entre outros, vão desempenhar um papel importante nos sinais celulares, bem como na patologia de diferentes doenças. A regulação dessas biomoléculas pelo pré-condicionamento de ozônio tem sido demonstrada em vários estudos pré-clínicos e clínicos como fenômeno de isquemia-reperfusão, parkinson, demência senil, hérnia de disco, retinite pigmentosa, cardiopatia isquêmica, insuficiência arterial, diabetes, osteoartrite, asma, síndrome vestibulococlear, entre outros. A modulação do óxido nítrico, assim como o aumento dos receptores de adenosina A1 obtidos com essa terapia, tem importante papel no fluxo sangüíneo cerebral, na formação da memória, na liberação de neurotransmissores e nos processos inflamatórios. A ozonioterapia parece induzir uma ressuscitação simultânea de funções que deram errado, reativando e reequilibrando as atividades fisiológicas. Este estudo contribui para esclarecer o mecanismo de ação do ozônio e seus diferentes efeitos farmacológicos. Conclui-se que a terapia com ozônio pode ser útil no tratamento de diversas doenças, seja como coadjuvante da medicina ortodoxa ou participando positivamente naqueles em que a terapia convencional não teve sucesso, tudo isso com um objetivo comum: favorecer os pacientes e contribuir para uma melhor qualidade de vida.

Autor: Menendez-Cepero, S.

Revista: Journal of Ozone Therapy, Vol.2, No.2, Mar. 2018. DOI: https://doi.org/10.7203/jo3t.2.2.2018.11125.

Voltar ao topo