ABOZ - Associação Brasileira de Ozonioterapia
ABOZ no Facebook ABOZ no Instagram

Biblioteca

Non-invasive Oxygen-Ozone therapy in treating digital ulcers of patients with systemic sclerosis.

Tipo de estudo: Observacional, caso controle randomizado. Resumo: As úlceras digitais (UDs) na esclerose sistêmica (ES) resultam de fenômenos recorrentes de Raynaud (RP) e micro-trauma com alto impacto na qualidade de vida. O uso do ozônio medicinal foi iniciado no século XIX. O ozônio tem múltiplos efeitos terapêuticos na cicatrização de feridas devido à propriedade de liberar oxigênio nascente, que tem demonstrado estimular enzimas antioxidantes. Nosso objetivo foi avaliar os efeitos da ozonoterapia na cicatrização de esclerodermia, determinar os níveis de expressão do fator de crescimento endotelial vascular (VEGF) e anticorpos do receptor endotelina-1 tipo A (ETAR) nas feridas após o tratamento. Cinquenta pacientes com esclerose sistêmica, com úlceras digitais, foram randomizados em grupo 1 de ozônio (n = 25) tratados com bloqueadores dos canais de cálcio mais tratamento com oxigênio/ozônio e grupo 2 de controle (n = 25) tratados somente com bloqueadores dos canais de cálcio. O grupo de ozônio recebeu tratamentos não invasivos de oxigênio-ozônio por 30 minutos/dia durante 20 dias usando o dispositivo gerador de ozônio. Efeitos terapêuticos foram classificados em 4 níveis de acordo com Zhang e outros pesquisadores. Os tamanhos das feridas foram medidos no início e no dia 20, respectivamente. Expressões de proteínas de anticorpos da expressão do fator de crescimento endotelial vascular e anticorpos do receptor endotelina-1 tipo A foram examinadas por exame imuno-histoquímico. As características demográficas e clínicas dos dois grupos não mostraram diferenças significativas no começo do estudo. No dia 20, a taxa efetiva de cicatrização foi significativamente maior no grupo 1 do que no grupo 2, onde representou 96% (24/25) no grupo ozônio versus 44% (11/25) no grupo controle (p = 0,007). Após o tratamento, os tamanhos das feridas em ambos os grupos foram significativamente menores do que antes do tratamento. No grupo 1, a redução do tamanho da ferida foi significativamente maior que no grupo 2 (0,75 ± 0,30 versus 2,44 ± 0,80 mm), (p <0,001). No dia 20, a expressão do fator de crescimento endotelial vascular foi significativamente maior no grupo 1 de ozônio do que no grupo 2 controle, (83,96 ± 9,68) versus (67,92 ± 6,55), (p <0,001), enquanto os anticorpos do receptor endotelina-1 tipo A, foi significativamente menor no grupo 1 de ozônio do que no grupo 2 de controle, (3,14 ± 1,12 versus 4,59 ± 1,24), (p <0,001). A conclusão do estudo é que a ozonoterapia pode ser uma ferramenta benéfica no tratamento de úlceras digitais em pacientes com esclerose sistêmica, onde promove a cicatrização de feridas através de uma potencial indução de VEGF e regulação negativa da ETAR nos locais das úlceras.

Autor: Hassanien, M., Rashad, S., Mohamed, N., Elawamy, A. & Ghaly, M.S.

Revista: Porto Acta Reumatologia, vol. 43, edição 3, páginas 210-216. Publicado em Jul. a Set./2018.

Voltar ao topo