ABOZ - Associação Brasileira de Ozonioterapia
ABOZ no Facebook ABOZ no Instagram

Biblioteca

Ozone Therapy in Knee Osteoarthritis: A Systematic Review.

Tipo de Estudo: Revisão Sistemática. Resumo: O presente estudo teve por objetivo realizar uma revisão sistemática de forma a analisar a eficácia da ozonoterapia na osteoartrose do joelho. Os objetivos visaram avaliar o efeito temporal da ozonoterapia na dor no joelho, na melhoria funcional e na progressão radiográfica. Realizou-se uma pesquisa nas bases de dados PubMed, Embase, Cochrane Library, Scopus e Web of Science a fim de identificar estudos aleatorizados e controlados que tratassem dessa associação. Utilizaram-se os seguintes descritores em língua inglesa: ‘ozone therapy’, ‘knee osteoarthritis’. Realizou-se um resumo descritivo e avaliação de qualidade de todos os estudos incluídos para análise. Identificaram-se seis estudos aleatorizados e controlados relacionados com o objetivo deste trabalho. A avaliação do risco de viés mostrou que um estudo foi considerado como risco moderado de viés e os restantes como risco alto de viés. Não se realizou a análise quantitativa dos dados pois os estudos incluídos não foram suficientemente homogéneos. Os participantes dos estudos eram em geral doentes idosos com osteoartrose do joelho leve a moderada. A variabilidade nas intervenções de ozonoterapia e comparadores, demonstra que não existe uma terapêutica estandardizada. Foram poucos os estudos que relataram os efeitos adversos, e quando aconteceu, estes eram ligeiros e associados ao procedimento. A ozonoterapia mostrou eficácia a curto prazo, em relação ao placebo e quando combinada com ácido hialurónico, sem ser promissora em relação aos restantes tratamentos vigentes. É importante que novos estudos aleatorizados e controlados avaliem os benefícios/riscos da ozonoterapia tanto a curto como a médio/longo prazo.

Autor: Costa, T., Rodrigues-Manica, S., Lopes, C., Gomes, J., Marona, J., Falcão, S., & Branco, J.

Revista: Acta Med Port. Revista Científica da Ordem dos Médicos, vol. 10, pág. 576-580. Publicado em Outubro de 2018.

Voltar ao topo